quinta-feira, 24 de setembro de 2009

U2 EUA TRIP - Nacionalidades, Pechinchas e o 1o Show no Giants (1a parte)

Chegamos em New York 9:30 da manhã, eu no JFK Airport, Larissa e Bob no LaGuardia. Peguei um Shuttle pagando US$15 (2 de "tip"; quando a gente não dá gorjeta eles ficam bravos!). Do LaGuardia, a primeira história pitoresca. Pegamos um Táxi com um indiano que falava um inglês mais do que embolado. Ele abriu um livrinho com os trechos e taxas. Queria nos cobrar $72 para ir ao Holiday Inn, em Fort Lee - New Jersey, logo depois da George Washington Bridge que liga com a parte norte de Manhattan. Eu tinha feito uma pesquisa usando o World Taximeter e vi que pela distância isso não daria mais de $40. Perguntei porque ele não ligava o taxímetro. Saímos do táxi. Conversa vai e vem, agora já envolvendo um fiscal, eles nos explicaram que atravessando a ponte cruzamos a fonteira inter-estadual, então a tarifa dobra. Solução? Combinamos de ir no taxímetro e ele nos deixar antes da ponte (e ele ainda nos disse "Good idea"!). Pagamos $30, incluindo $2.50 da famigerada Tip. Como atravessar a ponte, agora?

Andamos 1 quarteirão e vimos uns mini-ônibus. US$2 cada um (era #1.25, mas o cara alegou que as malas estavam ocupando lugar). Uma discussão danada entre o motorista e o fiscal (ambos pareciam mexicanos) que estava do lado de fora (numa língua enrolada danada, misturando castelhano, inglês ou outra coisa qualquer ininteligível, talvez um dialeto local de imigrantes) , porque a gente queria ir até o Hotel e o buzu parava antes. Dissemos que tudo bem, pegaríamos um taxi do outro lado, mas o fiscal invocou e queria que a gente saísse. Uma senhora atrás de mim tentou nos explicar a confusão; dissemos a ela que queríamos atravessar. Ela interveio e assim seguimos. Ela era uma cubana que foi mora nos EUA há 42 anos (desde os 10) e nunca mais voltou lá. "Enquanto Castro estiver vivo, não volto. Ele é o demônio". Contei a ela do nosso querido ACM e conversamos que o Diabo não quer concorrência aceitando esses caras por lá. Ela nos sugeriu ficar espertos em NYC quanto a gente querendo nos enrolar. Contamos a ela com o ocorrido no Taxi. Ela sorriu e disse "Beautiful! You're prepared to visit New York". Nossas pesquisas internéticas deram resultados. Já do outro lado pegamos outro táxi com um cara, segundo Bob, WASP (White Anglo-Saxon and Protestant). Caladão, nos deixou na porta do hotel por $10. Custo total de transporte LGA -> Hotel para 3 pessoas: $46.

Nossa peregrinação. View Larger Map

Chegamos ao hotel cerca de 12:30. O check-in começava as 15. Demos uma chorada no ouvido do recepcionista. Alfredo, um simpático rapaz originário da República Dominicana, se sensibilizou com nossa situação (quase 24 hora em trânsito) e nos deixou entrar mais cedo. Quando soube que éramos brasileiros ele disse já ter experimentado comida brasileira: coxinha de galinha e guaraná. Falamos para ela da nossa moqueca. Da próxima vez ele experimenta. Quartos grandes, limpos e confortáveis! Depois de um bom banho, almoço que pedimos por telefone (Alfredo nos salvou de novo, comemos massa, frango e almôndega, $22 no total) e uma rápida cochilada, show do U2! Como chegar até o Giants? Pesquisas na internet do computador do hotel (uma carroça toda bichada usando Windows XP). Desistimos. Táxi. Alfreeedoooo! Ligaram para a SamSung Limo. Fomos ao Giants no maior carrão com um motorista sul-coreano pagando $40 ($35 da taxa, $2 de pedágio e a tal da Tip). Agora a nova fase, pegar os ingressos comprados no eBay com 2 pessoas quem nem sequer sabíamos o nome. Ao nosso favor a Camisa Amarela do Brasil, a senha para encontrarem a gente na frente do Will Call Office, local de entrega de ingressos comprados pela Web no Ticketmaster.

Era certa de 16:50 quando chegamos no portão D. Supostamente 2 ingressos estariam no Will Call (Gate D). Perguntei e... nada. Rodei, rodei, rodamos, ..., ninguém. Perguntei de novo expliquei a situação. Resposta: Não intermediamos troca de ingressos. Fudeu, pensamos. Internet. Onde? Lembrei de Renê, um brasileiro que estava na tenda de exposição do BlackBerry (patrocinador oficial da turnê). Usei um deles (bem legal por sinal) para tentar contactar o cara que vendeu. Nada.... até que enfim aparece um cara e pergunta se eu tinha comprado ingressos de Kevin Avera (era um amigo dele, que participava da missão de me encontrar!) O nick era avera13 então sorri e disse: "Finally!". Fomos ao encontro dele (um norte-americano típico, altão, meio galego e branquelo-mas-vermelho-de-sol) e, 2/3 dos problemas resolvidos.

O ingressos de Bob viria duma mulher de nick purplestar17. Tentamos ligar várias vezes para o número passado por e-mail. Nada. Descobri depois de um tempão que estava faltado colocar o codigo do país. As 17:30 ela atende dizendo que estava a caminho e chegaria em 25 minutos. 50 se passaram e, nada. Ligávamos várias vezes, não mais atendia. Finalmente quase 19h conseguimos falar. A miserável já estava lá dentro. E no Portão B. Corremos para lá, ela saiu (de Purple Star não tinha nada, a gordinha feiosa. Bob tava mais do que puto com a muié e a xingou de tudo que foi nome, sem ela saber, claro).
19:15, Ingressos na mão, show do Muse começando e... bico seco. Nenhuma cerveja em solo americano até então. O Muse podia esperar, precisávamos relaxar. Atravessamos uma ponte que parecia ligar a um shopping. Depois da paletada monstra o suposto shopping era um complexo esportivo que estava fechado. Nada de beer. Voltamos tudo, de bico seco. Compramos 3 águas a $3 cada (eita roubo) numa barraquinha da Coca-cola, na frente da nossa entrada (se fosse no Brasil, o entorno do local estaria cheio de cambista, churrasquinho de gato, isopor de cerveja/refri/ágil, vendedores de camisas/souvenirs"genéricos". Nos EUA é a maior monotonia...). Bom, estávamos prontos.

Hora do Show!
(continua no próximo post)


2 comentários:

Léo Rehem disse...

Caraalho... ahahaa que aventura da porra!!! deve ta sendo uma experiencia unica.. e bob? hahahahahaa

Olívia disse...

Estou adorando acompanhar o blog de vcs... Ja esta add nos meus favoritos!!! Adoro essas aventuras... E queria mto meeeeesmo acompanhar o U2 com vcs!!! Lembrem-se, sempre que voltarem a NYC, eh so dar um toque que nos encontramos!!! :))) Olivia!!!